Defensoria participa de reunião sobre parto humanizado no Hospital Regional de Gurupi


Publicado em 19/06/2017 12:03

Divulgação

A DPE-TO – Defensoria Pública do Estado do Tocantins, através do NUAmac – Núcleo de Apoio às Minorias e Ações Coletivas de Gurupi, participou nesse mês de junho de um encontro que discutiu o parto humanizado no HRG – Hospital Regional de Gurupi. Tambem participaram do encontro representantes da unidade hospitalar e do GAPH - Grupo de Apoio ao Parto Humanizado.

A reunião foi marcada pelo HRG e a Defensoria Pública foi convidada para dirimir dúvidas e encontrar soluções para o fomento à prática do parto humanizado dentro do hospital.

Os defensores públicos Leandro Gundim, coordenador do NUAmac Gurupi, e Lara Gomides, participaram do encontro e consideram a reunião bastante proveitosa.

"Diante do que ouvimos e percebendo o empenho de todos, acreditamos que estamos a caminho de tornar cada vez mais humano este processo, que na verdade sempre foi instintivo e natural para a humanidade, mas que por muitos anos tentou-se interferir mecanicamente ao hospitalizar o nascimento e querer enquadrar todos os partos e mulheres em um único formato", afirmou a defensora pública Lara Gomides.

"A defensoria ouviu as demandas de ambos os lados e se colocou como parceira dos projetos que estão sendo realizados, bem como outros que ainda serão implantados, se colocando ainda à disposição como Instituição que busca o acolhimento do assistido, para agir em parceria", disse Leandro Gundim.

Humanizado

No parto humanizado a protagonista é a gestante e seu filho que está para nascer. Tão importante quanto os procedimentos médicos também é a atenção e cuidado com o delicado momento em que mãe e filho estão vivendo. Antes, durante e após o parto a intervenção médica ocorre apenas quando a situação exige e não por praticidade. Como cada ser humano é único, com suas peculiaridades, o parto possui uma diversidade de situações muito grande. É tarefa do cuidador estar preparado para todas essas diversas possibilidades e agir conforme a gestante e o momento exigem. Por isso, no parto humanizado, não existe um procedimento específico ou normas rígidas a serem adotadas.


Autor(a): Clédiston Ancelmo


Tags: reuniao, Gurupi, humanizado, parto